Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

todos perdem o encantamento quando se distraem contigo

todos perdem o encantamento quando se distraem contigo

Encontrei-te

 

 

 

O sol desfocava-me do outro lado do rio, o ar soprava-lhe folhas e a água turva não me permitia ver o reflexo apreensivo que eu exteriorizava e paralelamente a este, estavas tu, da outra margem, aquela em que nos vimos de perto.
    Gradualmente aproximava-me e pensava: Que momento solene e merecedor depois de tanta espera, antes separados pelo Atlântico e agora, agora era só um rio, mas com ponte, a tal ligação directa a ti, o momento cinematográfico desejado por qualquer realizador que se preze. Anos, passei a anos a desacreditar na existência de tais momentos, descrente da genuinidade dos sentimentos através da procura. Cada passo era contado, cada pensamento era desculpabilizado, cada ilusão desaparecia, ao encontro da realidade. O nervosismo, esse teria que desaparecer, então falávamos, fumo inalava, as tuas palavras já não estavam distantes, as teclas gastas teclantes, não faziam mais sentido, agora eu é que deslizava, o monitor era a bela paisagem, os pensamentos pensantes estavam prestes a serem revelados, a cascata das nossas palavras seriam perceptíveis , estávamos perto e unidos pela arte divina, forte como o aço, nem o Pablo Picasso, fascina !E isso ficou comprovado quando te vi e senti o turbilhão intrínseco em mim.
 
     O teu olhar profundo, denso e expressivo, a tua sonoridade vocal soante, a tua boca ávida , a tua face realmente palpável ao toque, tão bonita. Gostei verdadeiramente da tua complementaridade exógena e endógena. Foi como se o virtual se tivesse difundido em realidade e então, surge vida, surge os elos emocionais.
 
       A naturalidade e o desenvolvimento do nosso momento, revelou surpresa em mim. Nunca pensei que num primeiro impacto, tudo aquilo acontecesse de forma tão espontânea.
As estrelas assistiram e na altura urbana desse momento, senti o que me eleva a escrever isto: Felicidade.
 
Inalcançáveis pelo mar,
Desencontrados pela terra,
Separados por um rio,
Por fim,
Unidos por nós mesmos.
 
                                                                                              sF

 

17 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D